quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

MINISTRO DA SAÚDE CONFIRMA 1º CASO DE CORONAVÍRUS NO BRASIL

Resultado de imagem para MENDETA MINISTRO
O ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) confirmou na manhã desta 4ª feira (26.fev.2020) o 1º caso de coronavírus no Brasil, no estado de São Paulo. Um homem de 61 anos foi inicialmente diagnosticado com a doença pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Faltava a contraprova pelo Instituto Adolfo Lutz. Agora, não falta mais.
Já tínhamos a confirmação, o que só reforçava o caso positivo já diagnosticado laboratorialmente no hospital Albert Einstein“, disse o ministro, em entrevista coletiva na sede do MS (Ministério da Saúde).
Eis a lista dos participantes da coletiva:
  • Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde;
  • João Gabbardo dos Reis, secretário-executivo do Ministério da Saúde;
  • José Henrique Germani Ferreira, secretário estadual de Saúde de São Paulo;
  • Paulo Rossi Menezes, coordenador de controle de doenças da secretaria estadual de Saúde de São Paulo;
  • Nilo Bretas Júnior, coordenador técnico do Conasems (Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde);
  • Jurandi Frutuoso, secretário-executivo do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde);
  • Wanderson Kleber de Oliveira, secretário de Vigilância e Saúde do Ministério da Saúde
De acordo com Mandetta, o paciente está bem, isolado em casa. Há outros 20 casos de registro da ocorrência sendo investigados. A média para confirmação (ou não) é de 2 dias. No caso de homem infectado, o processo foi feito em 1 dia, apenas. Eis a lista da distribuição dos casos suspeitos (por estado):
  • São Paulo: 11
  • Minas Gerais: 2
  • Rio de Janeiro: 2
  • Santa Catarina: 2
  • Paraíba: 1
  • Pernambuco: 1
  • Espírito Santo: 1
Outras 59 ocorrências suspeitas foram descartadas. Eis a lista, também por estado:
  • São Paulo: 28
  • Rio Grande do Sul: 10
  • Rio de Janeiro: 8
  • Santa Catarina: 4
  • Paraná: 3
  • Minas Gerais: 2
  • Bahia: 2
  • Ceará: 1
  • Distrito Federal: 1
A partir do momento do diagnóstico inicial feito pelo Albert Einstein, começou a ser feito 1 trabalho de localização de quais foram os “contatos próximos” e quais foram os “contatos temporários” do homem infectado.
O contato mais próximo é a esposa. Como ela não apresenta sintomas, não é enquadrada de imediato como 1 caso “suspeito”. Mandetta, no entanto, disse que o homem recebeu cerca de 30 pessoas em casa por ocasião da chegada de viagem.
Também houve proximidade com alguns dos passageiros que estavam no mesmo avião, principalmente aqueles sentados mais perto. Há pessoas que estiveram na mesma aeronave e pegaram conexões para Argentina, Chile e outras regiões.

ROTEIRO E “STATUS” SANITÁRIO

O homem infectado viajou para a Itália no período de 9 a 20 de fevereiro. Chegou ao Brasil de volta no dia 21, num voo que fez conexão em Paris (França). Estava assintomático, sem febre. Começou a ter sintomas no dia 23. Procurou serviço de saúde no dia 24, às 19h30. O MS foi notificado às 12h08 desta 3ª feira (25).
“É uma situação em que a gente fica tentando mapear para entender o deslocamento das pessoas e dos vírus. Aumenta a nossa vigilância e nosso preparativo para atendimento”, falou o ministro.
Apesar da confirmação de 1 caso da doença, não muda nada no “status sanitário” do país. Isso porque o ministério antecipou a “emergência em saúde pública” por conta dos preparativos feitos na operação de quarentena ao trazer os brasileiros que estavam em Wuhan (China), epicentro da doença.
O 1º estágio foi o estado de “alerta”. Depois, “perigo iminente”. Por fim, a “emergência” já antecipadamente declarada. “Algumas medidas já foram tomadas. Todos os estados receberão equipamentos de proteção individual,” disse Mandetta.
Entre as formas de prevenção, estão medidas como hidratação, lavar as mãos e evitar o compartilhamento de utensílios pessoas (copos, talheres, etc.). A doença se comporta de maneira mais agressiva em pacientes a partir de 60 anos.

BLOQUEIOS DE VOOS: DESCARTADO

O Brasil é o 2º país do Hemisfério Sul a confirmar 1 caso da doença. O 1º foi a Argélia, na 3ª feira (25). “Agora vamos ver como esse vírus vai se comportar num país tropical, em pleno verão. É 1 vírus novo”, disse Mandetta.
O ministro descartou o bloqueio de voos ou quaisquer outras restrições ao fluxo na entrada e saída de pessoas do país. “Não tem como, isso não tem eficácia”, afirmou, em função da conectividade que existe atualmente no mundo.
“Uma pessoa sai do Irã, vai para Portugal… A regra continua sendo: Tem sintomas? Se tem febre, que não viaje. Agora, viajou, informe às autoridades quando chegar. Se não tinha sintoma, mas está vindo de áreas onde tem [registros da doença], no caso Europa, Ásia, Américas… [Se] passar dentro de 14 dias da sua chegada, se sentir febre, tosse, procure unidade de saúde”, acrescentou.

CASOS NO HEMISFÉRIO NORTE

Autoridades da Itália afirmaram na 3ª feira (25) que o número de casos de coronavírus no país aumentou 45% em apenas 1 dia. Com o número crescente de infecções por coronavírus na país, existe a preocupação de que a doença se espalhe para outras regiões da Europa.
Para Gérard Krause, chefe do departamento de epidemiologia do Centro Helmholtz de Pesquisa de Infecções em Braunschweig, no centro-norte da Alemanha, é impossível impedir que países do Hemisfério Norte se livrem de registrar casos em algum momento.
Já há casos confirmados em vários países, mas não com a mesma intensidade da situação italiana. Há ao menos 10 mortos naquele país. O governo confirmou também que 322 pessoas foram infectadas na 3ª feira (25), 100 a mais do que na 2ª (24).
Eis a lista de alguns casos, divididos por país:
  • Coreia do Sul: 1.146 casos (10 óbitos);
  • Itália: 322 casos (10 óbitos)
  • Japão: 170 casos (1 óbito);
  • Irã: 95 casos (16 óbitos);
  • França: 14 casos (1 óbito);
  • Estados Unidos: 57 casos (sem óbito);
  • Tailândia: 37 casos (sem óbito);
  • Alemanha: 18 casos (sem óbito);
  • Canadá: 11 casos (sem óbito)

REFLEXO NAS BOLSAS

O crescimento de registros fez as bolsas despencarem no pregão da 3ª feira. Nos Estados Unidos, a queda dos 3 principais índices foi superior a 2,7% em meio às notícias de que o coronavírus pode se tornar uma epidemia global. Eis a lista:
  • S&P 500, -3,03% (3.128,21);
  • Dow Jones, -3,15% (27.081,36);
  • Nasdaq, -2,77% (8.965,61)
Na Europa, as bolsas também tiveram queda acentuada. Os indicadores pan-europeus Euro Stoxx 50 e Stoxx 600 caíram 2,07% e 1,76%, respectivamente. Bolsas de Frankfurt (DAX), Milão (FTSE MIB), Paris (CAC 40) e Londres (FTSE 100) caíram mais de 1,40%.
  • Euro Stoxx 50: 3.572,51 (-2,07%)
  • Stoxx 600: 404,60 (-1,76%)
  • DAX: 12.790,49 (-1,88%)
  • FTSE MIB: 23.090,44 (-1,44%)
  • CAC 40: 5.679,68 (-1,94%)
  • FTSE 100: 7.017,88 (-1,94%)

NÚMEROS COMPARATIVOS

O Ministério da Saúde distribuiu uma folha à imprensa com informações que comparam o coronavírus a outras causas de morte. O documento também mostra dados sobre a letalidade da doença. Um dos itens é a “perspectiva do número de óbitos” no período de dezembro de 2019 a fevereiro de 2020, a partir de 4 causas diferentes. Eis a lista:
  • Doenças cardiovasculares: + de 1 milhão
  • Acidentes de carro: 90 mil
  • Influenza: 38 mil
  • Doença pelo coronavírus: 2,7 mil
Há 80.239 casos confirmados no mundo, distribuídos em 34 países. Considerando as 2,7 mil mortes, a letalidade aferida até o momento é de 3,4%.
*PODER360


0 comentários:

CURTA!