sexta-feira, 27 de março de 2020

MILÃO ORGANIZOU CAMPANHA “ABRACE UM CHINÊS” EM FEVEREIRO


No mesmo dia em que a Secom da presidência lançou a campanha O Brasil não pode parar, o prefeito de Milão, na Itália, pediu desculpas, afirmando que a campanha “Milão não pode parar” foi um erro. A cidade conta, hoje, com 4.800 mortes em decorrência do coronavírus.
Como um dog whistle lamentavelmente viralizado, vozes que defendem quarentena obrigatória, imposta pelo governo com risco de pena aos “infratores” (multa? prisão?), passaram a acusar Bolsonaro de “genocida”, justamente por não tomar medidas ditatoriais, como governos estão fazendo pela Europa – ou governos estaduais fazem pelo Brasil, usando Milão como exemplo.
Logo ele, Bolsonaro, sendo acusado de não ditar regras, não prender pessoas simplesmente por estarem disponíveis, não aumentar seu próprio poder contra a população. Dito para 2018 com uma máquina do tempo, causaria tilt.
Não adianta criar campanha "Bergamo não pode parar", "Milão não pode parar", "Brasil não pode parar", pq o virus se replica e CAGA pra campanha.
Só com a gente parando em casa, confinados, por UM PERIODO é que se para a pandemia.
A ciência ñ pode parar.
A vida ñ pode acabar.

na Itália fizeram a campanha
“Milão Não Para”

a cidade NÃO ENTROU EM QUARENTENA para não quebrar a economia e agora milhares de mortos são cremados no país.

no BRASIL, o GOVERNO lançou a campanha
“O Brasil Não Pode Parar”

em breve estaremos cremando muitos amigos e familiares.


Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter

Líderes italianos estão pedindo desculpas pelo erro cometido com as campanhas "Itália não pode parar"; "Milão não pode parar". Os assessores do Presidente não têm capacidade para ler os jornais atuais de outros países? Podemos reorganizar a quarentena? Podemos!

Bolsonaro lançou campanha “Brasil não pode parar”. Milão fez algo assim em fevereiro. Deu no q deu! Brasil ñ pode parar nem morrer! Por isso Estado tem de atuar.Governo sabia do coronavírus desde dezembro, e ñ fez nada p/ enfrentar. E continua perdido em medidas de pouca eficácia

O que não foi noticiado por nenhum veículo de mídia, e também não viralizou entre quarentenistas, foi que a cidade de Milão foi organizadora de uma campanha chamada “Hug me, I’m not a vírus” (“abrace-me, eu não sou um vírus”), em que chineses pediam para serem abraçados com cartazes nas ruas em fevereiro.

A campanha em Milão foi para combater o “racismo”, como é chamado qualquer medida que não envolva fronteiras abertas, governanças transnacionais e substituição populacional hoje em dia. A campanha foi noticiada pela mídia chinesa, sob fartos aplausos ocidentais.
Em janeiro, a BBC já havia noticiado sobre um asiático francês que iniciara uma campanha com a hashtag #JeNeSuisPasUnVirus. O inimigo, à época, era o “racismo”. O mesmo que fazem hoje contra a expressão “vírus chinês”, sobre o coronavírus, que veio da China.
Já o Jerusalem Post comenta sobre o vídeo de Milão ao lembrar que a China não é modelo para conter o coronavírus – ou para qualquer outra coisa.
Em menos de um mês, a cidade estaria em um gigantesco lockdown, com mais mortes em sua região do que qualquer outro lugar do mundo (descontando a China, para quem acredita nos dados do governo chinês).

Hoje, culpa-se a falta de isolamento, ainda que as infecções e mortes pelo coronavírus na Itália tenham aumentando mesmo após a quarentena. Por alguma razão, não se comentou sobre a campanha anti-racista.
*SENSO INCOMUM

0 comentários:

CURTA!