sábado, 18 de abril de 2020

TEMPO DE REFLEXÃO (JOSÉ JÚNIOR)

Como se fossem todos iguais, por Vanessa Cornélio | Olivas

Em 1918, a gripe espanhola ceifou milhares de vidas no Brasil. O desembarque da gripe mortal se deu através de um navio telegrama vindo da Europa, com passageiros infectados que apearam em Recife, Salvador e Rio de Janeiro. No mundo inteiro somaram-se em torno de 50 milhões de mortos.
Surge, em 2020, uma nova pandemia viral de gripe. Não vivemos mais no passado longínquo, onde os remédios eram quase que exclusivamente chás e na base do curandeirismo. Naquela época a medicina e as pesquisas médicas eram escassas e limitadas.
Mas hoje, em pleno século XXI, vivemos outra realidade. É a era do avanço das pesquisas médicas e da evolução da ciência como um todo. Ciência da descoberta da Penicilina (o primeiro antibiótico); da criação de computadores (inteligência artificial); da odisseia que levou o Homem a pisar o solo lunar; das descobertas no planeta Marte. Do avanço das tecnologias e da robótica. Das tecnologias encantadoras dos celulares e tudo mais... E do ápice científico que aconteceu em 1997 com a primeira clonagem de um ser vivo, a ovelha Dolly.
É realmente um mundo fantástico! Grandes feitos, grandes inventos, grandes descobertas. Inovações e revoluções quase por minutos.
Mas quem diria! Uma gripe! Isso mesmo, uma gripe. Pôs toda nossa colossal sociedade moderna de joelhos. Os seres inteligentes, modernos, autossuficientes bateram com a cara na porta, no portão, na parede ou mesmo na grade. O mundo parou! Estamos todos presos; presos nos nossos acertos e erros, nas alegrias e tristezas, na coragem e nos medos, nas forças e nas fraquezas, nos nossos infinitos sentimentos. Ou seja, estamos vivenciando o que é ser humano no estado mais primitivo.
Toda crise traz consigo um ensinamento. E talvez o maior ensinamento dessa grande tempestade seja para nos dizer que somos muito, mais muito pequenos. Não somos super-heróis, não somos grandes, não somos semideuses. Somos apenas POBRES MORTAIS.


(José Júnior, 18/04/2020)

0 comentários:

CURTA!