sexta-feira, 27 de novembro de 2020

O QUE AS GIGANTES DO VAREJO ESPERAM DA BLACK FRIDAY MAIS DIGITAL DA HISTÓRIA

A Black Friday de 2020 promete. Para os consumidores, a data é sinônimo de descontos quase imperdíveis. Para os varejistas, significa dinheiro em caixa – e esta última sexta de novembro promete render mais dinheiro que qualquer outra na história. 

Se em 2019, segundo pesquisa da Ebit/Nielsen, o comércio eletrônico faturou R$ 3,2 bilhões na data, alta de 23,6%, a pandemia deve fazer esse valor se multiplicar. Para este ano, a estimativa é de crescimento de 27%. 

Mas tem empresa esperando avanço muito maior que esse. É o caso do Mercado Livre, que fala em crescimento de mais de 100% nas vendas nesta Black Friday na comparação com o mesmo período do ano passado. 

Para outros varejistas, o momento é de provar que a transformação digital deu certo. É isto que a Via Varejo (VVAR3) quer mostrar. A empresa tem marcas fortíssimas na rua: Casas Bahia e Ponto Frio, mas já espera que as vendas pela internet superem o volume das lojas físicas. 

CNN Brasil Business ouviu quatro das maiores empresas de varejo do Brasil para entender o que o setor espera da data. Podemos dizer que, pelo menos no discurso, a esperança é de uma Black Friday muito rentável. 

Via Varejo 

“Em 2020, sem sombra de dúvidas, a procura online será maior (que a demanda nas lojas físicas)”, garante Abel Ornelas, COO da Via Varejo. A afirmação pode parecer comum em tempos de pandemia, mas tem um peso grande vinda de um dos dirigentes de uma companhia que demorou a se digitalizar e agora corre para ganhar força na internet. 

“Em 2020, estamos com um bom planejamento, mas com uma proposta diferente em comparação com a do ano passado, quando centralizamos as ofertas e promoções para a sexta-feira mesmo”, conta Ornelas. 

Amazon

A Black Friday da Amazon terá descontos de até 70% em produtos da marca ou nos itens vendidos por terceiros. A varejista anuncia promoções como Echo Dot 4ª Geração de R$399 por R$ 249.

Para a data, a varejista de Jeff Bezos ainda preparou ofertas relâmpago, que duram até seis horas e frete grátis para quem compra pela primeira vez. Para completar, quer entregar tudo em até dois dias. 

Além disso, a Amazon promete ajudar os indecisos com um guia de presentes. A ideia é fazer uma curadoria de produtos para presentear alguém nesse fim de ano. 

Mercado Livre 

Uma das maiores empresas da América Latina, o Mercado Livre aproveita o momento favorável ao e-commerce e investe muito em logística. Adicione um sortimento de 305 milhões de produtos à receita e o resultado será um crescimento de três dígitos – pelo menos é o que a empresa espera. 

Essa quantidade absurda de produtos pode chegar a casa dos consumidores dentro de 24 horas em 70% dos casos. 

Fernando Yunes, vice-presidente sênior do Mercado Livre no Brasil, disse, em entrevista ao CNN Business, que o Mercado Livre vai atender à demanda “sem problemas” e que o planejamento contempla um volume ainda maior que o esperado.

Lojas Americanas (B2W) 

Esta é a empresa que promete a maior Black Friday da internet brasileira. São “milhões de ofertas” na semana da Black (ou Red) Friday, com descontos de até 80%. A marca, que é controlada pela (BTOW3), tem uma das menores valorizações da bolsa dentre as varejistas digitais. Mas ela quer mostrar que é só uma fotografia do momento. 

“Acreditamos que essa vai ser a Black Friday da conveniência”, diz a empresa, que promete entregas em até três horas. 

*CNN BRASIL

0 comentários:

CURTA!