terça-feira, 26 de maio de 2020

PF FAZ OPERAÇÃO NA RESIDÊNCIA OFICIAL DO GOVERNADOR WILSON WITZEL

A Polícia Federal faz uma operação na manhã desta 3ª feira (26.mai.2020) no Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador do Rio, Wilson Witzel (PSC).
Batizada de Placebo, a operação investiga desvios de recursos públicos destinados ao atendimento do estado de emergência de saúde pública decorrente da pandemia de covid-19 –doença causada pelo novo coronavírus. Eis a íntegra (375 kb) da nota.
São cumpridos 12 mandados de busca e apreensão no Rio e em São Paulo. As ordens foram expedidas pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).
De acordo o site O Globo, 15 equipes da PF participam da ação e pelo menos 4 carros estão em frente à casa de Witzel desde o início da manhã. A equipe da Polícia Federal foi de Brasília ao Rio de Janeiro e chegou ao aeroporto pouco depois de 5h30m.
O esquema de corrupção envolveria uma organização social contratada para a instalação de hospitais de campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde do Estado. As investigações foram iniciadas pela Polícia Civil do Rio, pelo Ministério Público Estadual e pelo Ministério Público Federal.
De acordo com o site G1, às 8h40 os agentes da Polícia Federal deixaram o Palácio das Laranjeiras com 1 malote de documentos. Até às 9h, o governador Wilson Witzel não se pronunciou sobre o assunto.
São cumpridos 12 mandados de busca e apreensão no Rio e em São Paulo. As ordens foram expedidas pelo ministro Benedito Gonçalves, relator do caso no STJ (Superior Tribunal de Justiça).
A previsão orçamentária do Estado era gastar R$ 835 milhões com os hospitais de campanha em 1 período de até 6 meses. A suspeita é que parte desse valor teria como destino os próprios envolvidos.
As buscas e apreensões têm o objetivo de recolher documentos e outros materiais que possam ajudar na investigação. Os investigados podem ser acusados de peculato, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

WITZEL E BOLSONARO

Sérgio Lima/Poder360 – 24.jun.2019
Wilson Witzel é inimigo declarado de Jair Bolsonaro. O presidente o apoiou na eleição para o governo do Estado em 2018. Os 2 se tornaram opositores em 2019 depois que Witzel demonstrou vontade de se candidatar ao Planalto nas eleições de 2022.
No vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, no qual Bolsonaro é investigado por interferir na Polícia Federal, o presidente chamou o governador carioca de “estrume”. Bolsonaro afirma que Witzel “usava a Polícia Civil do Rio” para destruir a família dele.
Na pandemia de covid-19, eles divergem sobre as medidas de isolamento social. Já trocaram farpas publicamente.
Nesta semana, delegado Tacio Muzzi Carvalho e Carneiro foi nomeado para assumir o cargo de superintendente regional de PF no Rio.

CARLA ZAMBELLI

Sérgio Lima/Poder360 – 15.jul.2019
A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), aliada de Bolsonaro, disse que haveria uma operação da PF contra governadores. A congressista falou ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha, na 2ª feira (25.mai).
“A gente já teve algumas operações da Polícia Federal que estavam ali, na agulha, para sair, mas não saíam. E a gente deve ter, nos próximos meses, o que a gente vai chamar, talvez, de ‘Covidão’ ou de… não sei qual vai ser o nome que eles vão dar… mas já tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal”, disse a deputada.
A declaração da deputada sobre uma possível ação da PF vem em 1 momento em que o presidente é acusado de interferir no órgão politicamente.
A jornalista da Rádio Gaúcha Kelly Matos postou em sua conta no Twitter o trecho. Ouça abaixo (24s):

OUTRO LADO

O governador do Rio de Janeiro disse, em nota, que não tem qualquer participação nas irregularidades investigadas pela PF em hospitais de campanha no Estado. Acusou Bolsonaro de interferência no órgão.
Eis a íntegra:
“Não há absolutamente nenhuma participação ou autoria minha em nenhum tipo de irregularidade nas questões que envolvem as denúncias apresentadas pelo Ministério Público Federal. Estranha-me e indigna-me sobremaneira o fato absolutamente claro de que deputados bolsonaristas tenham anunciado em redes sociais nos últimos dias uma operação da Polícia Federal direcionada a mim, o que demonstra limpidamente que houve vazamento, com a construção de uma narrativa que jamais se confirmará. A interferência anunciada pelo presidente da República está devidamente oficializada. Estou à disposição da Justiça, meus sigilos abertos e estou tranquilo sobre o desdobramento dos fatos. Sigo em alinhamento com a Justiça para que se apure rapidamente os fatos. Não abandonarei meus princípios e muito menos o Estado do Rio de Janeiro.”
*PODER 360

0 comentários:

CURTA!