segunda-feira, 30 de novembro de 2020

"ENTRE MORTOS E FERIDOS." POR RICARDO SAMPAIO

O progressismo e suas ramificações conseguiram uma façanha que precisa ser entendida em toda sua extensão e gravidade. Eles conseguiram não apenas transformar a educação em doutrinação, mas em uma doutrinação sem necessidade de conteúdos ou maiores explicações. Não à toa estamos vivenciando pela primeira vez na história da humanidade uma geração com QI mais baixo que sua antecessora. 

A doutrinação acontece por meio de palavras de ordem que se tornam gatilhos mentais com o passar do tempo. Essas palavras de ordem são inculcadas por meio de "argumentações" breves, pinçando fatos históricos soltos para construir a distorção da realidade.

Há uma quantidade enorme de adolescentes que são mais estúpidos do que uma porta e que, no entanto, já se definem orgulhosamente como paladinos das virtudes ou  benfeitores sociais, mas, na prática, são intolerantes com o adverso, seletivos nas indignações e defensores dos mais hediondos criminosos, desde que estejam ungidos pela causa.

Há um completo descompasso entre a flagrante ignorância desses jovens e sua  enorme convicção sobre seus propósitos. Na convicção de que estão no caminho certo, a exemplo dos Antifas ou Black Lives Matter, abraçam as ideias mais estapafúrdias, os princípios mais ilógicos, a violência e o indefensável.

Esse descompasso entre a incultura desses jovens e a arrogância que demonstram é a grande vitória do sistema doutrinal progressista: eles conseguem criar alienados que se acham moralmente superiores, simplesmente por pertencerem à uma bolha uníssona.

A aquisição de conhecimento, a busca pelo empírico, a capacidade de identificar contradições e saber qual conclusão é certa ou errada, tudo isso desapareceu do espectro educacional da maioria, e deu lugar à militância do retardamento por meio do politicamente correto e das "causas sociais".

O sistema educacional aparelhado, usa seus já doutrinados e agora educadores para ensinar aos jovens e crianças que coisas como ideologia de gênero e pseudos heroísmos humanitários são a verdadeira razão do existir. Pior, fazem isso com método e eficiência.

Infelizmente, alto será o número dos ingênuos e inertes que perceberão tarde demais o que foi feito com seus parentes, suas crenças e seus valores. Assim como grande também será o sofrimento dos que terão de conviver a vida inteira com tapados que se acham a mais alta estirpe da nossa espécie.

Felizmente, a história e Aristóteles ensinaram-nos que é no fundo de um buraco que descobrimos as estrelas.

*Por Ricardo Sampaio 

0 comentários:

CURTA!